Terceiro dia – parte B – Um Vet No Aconcágua

A caminhada continuava, já havia mais de 8 horas, e parecia não ter mais fim! Turco, nosso guia, anunciou a última parada! Tínhamos 10 minutos para descansar, tirar um pouco a mochila, hidratar e colocar casacos mais pesados, estava começando a nevar! A parada fez com que o grupo todo se juntasse novamente! Alguns membros eram muito atletas e sempre disparavam na frente. E isso não era uma questão de idade, mas sim de preparo físico. Tanto que Lio, o suíço, tinha 57 anos e era um dos mais ligeiros e resistentes!

Na montanha, centenas de metros acima podem significar quilômetros de caminhada

Na montanha, centenas de metros acima podem significar quilômetros de caminhada

Nossos 10 minutos voaram e logo ouvi o chamado do Turco:

? Tamo listos? Tamo listos? Bamo! bamo!!! Turco anunciou também que precisaríamos sair logo pois ainda teríamos uma surpresa para fechar o dia!

E assim saímos para a última parte da caminhada. Andamos cerca de 20 minutos contornando uma montanha a nossa direita, quando veio a grande surpresa! Ao fazermos a curva se abriu aos nossos olhos um grande elevação, rochosa, quase totalmente vertical, que olhando de baixo parecia ter pelo menos uns 300 metros de altura, mas verticais! Equivaleria a altura de um prédio de uns 100 andares!

Nosso próximo acampamento, estava no alto desta montanha, portanto, precisaríamos vencê-la antes de poder descansar! Penso que em circunstancias normais, esta escalada em trilhas, mas quase verticais, já seria muito exaustiva, mas agora, depois de quase 9h de caminhada, seria algo quase impossível! Fora isso, em montanhas, as vezes para subir 300 metros na vertical, precisamos andar quilômetros, ziguezagueando, de um lado a outro. E assim foi!

Resignado, pois não havia outra alternativa, abaixei a cabeça, finquei os bastões de caminhada no chão, e um passo após o outro, comecei a enfrentar a longa e íngreme subida!

Nosso acampamento em Plaza de Mulas

Nosso acampamento em Plaza de Mulas

Nesta hora encontrar um ritmo é essencial! Primeiro eu puxava o ar, para reunir forças, depois fincava os bastões, depois levantava uma perna de cada vez. Em seguida puxava o ar novamente, bastões e pernas, e assim por diante! O esforço era tanto, que esqueci que estava frio e nevando! E assim nosso grupo foi lentamente subindo a Rocha, em fila indiana, por mais de uma hora! Em alguns momentos meu cansaço era tanto que eu arqueava a costas e  apoiava a cabeça nos bastões de caminhada. Até aquele momento, fora sem duvida o maior esforço físico que eu fiz na minha vida!

Uma parte do grupo abriu alguns metros de distância acima, e outra ficou alguns metros a baixo de mim! Como a trilha era estreita, não havia como um passar a frente do outro!

Juntando sinceramente as últimas das últimas forças, venci os últimos metros da subida e pude ver a cerca de mais uns mil metros nosso novo acampamento, Plaza de Mulas, que ficava a 4.300 metros de altura. Pelo menos para mim, de longe o lugar mais alto que eu já havia estado até então. Dai em diante caminhei lentamente até o acampamento e fui direto para nossa barraca refeitório!

Nosso grupo na barraca refeitório. De verde, Turco, o líder da expedição!

Nosso grupo na barraca refeitório. De verde, Turco, o líder da expedição!

Os outros membros do grupo já haviam chegado alguns minutos antes de mim e já estava sentados tomando um chá quente para se revigorarem do dia exaustivo! Eu, cheguei tão cansado, mas tão cansado, que larguei a mochila e os bastões de qualquer jeito fora da barraca e literalmente me joguei no chão, virado para cima e com os braços abertos, em sinal de extremo cansaço!  Meus amigos perceberam a dificuldade que isso tinha sido para mim e o esforço que eu fizera, por não ser atleta como eles, e começaram a bater palmas para mim! Me dando os parabéns!

Francisco, um dos argentinos, montanhista experiente, me disse, com seu sotaque portenho:

Ílsson, agora você pode se considerar um verdadeiro montanhista! Parabéns!

Precisei de ajuda para levantar da posição deitado, pois se eu ficasse assim por muito tempo isso poderia ser prejudicial, mas permaneci no chão, agora sentado. Ganhei um copo de chá quente, e curti estar a 4.300 metros de altura, a caminho do cume do Aconcágua!

Veterinário Wilson Grassi

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s